Anuncie aqui

sábado, 14 de janeiro de 2017

O bom negócio em que se transformou o “aluguel camarada” no governo Flavio Dino

De O Estado – A revelação de que o governo Flávio Dino (PCdoB) assinou pelo menos quatro contratos de aluguel de imóveis com graves suspeitas de favorecimento reforça a tese de que aliados da gestão comunista têm feito bons negócios utilizando desse expediente.

Os chamados “aluguéis camaradas” começaram a ser descobertos há pouco mais de uma semana, quando O Estado denunciou a locação, pela Fundação da Criança e do Adolescente (Funac), de um imóvel na Aurora pertencente a um filiado ao PCdoB, Jean Carlos Oliveira, que é também funcionário da Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap).

Ao todo, o Executivo já pagou mais de R$ 1 milhão em aluguéis a aliados, doadores de campanha e afins. Com um detalhe: a maior parte desse montante foi desembolsada de forma antecipada, por imóveis ainda estavam fechados – ou passando por reformas.

No caso da Aurora, o contrato é de julho de 2015 e os pagamentos – R$ 9,5 mil por mês – a partir de agosto. O prédio, contudo só começou a ser usado em janeiro de 2017.

Durante um ano e meio, o governo gastou mais de R$ 170 mil com o aluguel de um prédio vazio, apesar de garantir que desde novembro de 2015 já fazia adaptações no local e que só parou por pressão dos moradores, que dizem desconhecer qualquer obra no local até o fim de 2016.

Na Rua das Cajazeiras, outro caso: um prédio da LDA Comércio de Gêneros Alimentícios foi alugado por R$ 45 mil por mês. A mesma Funac paga os aluguéis desde 2015, mas só implantou a Delegacia do Adolescente Infrator (DAI) no local há pouco mais de uma semana – embora garanta que as obras de adequação começaram em março de 2016 e que a implantação da DAI ocorreu em setembro. Total dos alugueis antecipados: R$ 720 mil.


Viva – Na Beira­Mar, Centro Histórico de São Luís, o Instituto de Proteção e Defesa ao Consumidor do Maranhão (Procon/MA) alugou um prédio de Celso Gonçalo, irmão do prefeito de Santa Rita, Hilton Gonçalo, do PCdoB, por R$ 40 mil por mês. Também em 2015 começou a pagar pelo espaço ­ R$ 157 mil de forma antecipada ­, que só começou a ser usado em maio de 2016. Ao todo, já foram pagos R$ 468 mil nesse contrato, que foi aditivado em outubro do ano passado, por mais 36 meses, passando o valor mensal à casa dos R$ 44 mil.

Em Caxias, um caso envolvendo o aliado Humberto Coutinho (PDT). Lá, foi escolhido para funcionar como sede da Ciretran um prédio de Ironaldo José Bezerra de Alencar, ex­presidente da Câmara Municipal.
Aliado do atual presidente da Assembleia, ele já era um dos entusiastas de Flávio Dino na eleição de 2014, quando doou R$ 15,6 mil à campanha comunista – o pai dele doou valor igual. Pelo aluguel o governo deve pagar R$ 7 mil por mês.

Além de doador de campanha de Dino, Ironaldo é irmão de Ireneide de Alencar Marques, nomeada no início da gestão comunista como chefe do Procon­MA em Caxias. Em nota, o Detran­MA informou que a contratação obedeceu a todos os preceitos da Lei de Licitações.

Mais – No início da semana O Estado mostrou que A Secretaria de Saúde aluga, por R$ 16,5 mil ao mês, outro imóvel que já havia sido utilizado pela campanha comunista há dois anos: trata­se da sede da Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares (Emserh). Durante a disputa, o local funcionou como “QG de Comunicação” dos comunistas. Segundo a SES, o aluguel está abaixo do valor de mercado.

Quanto custa o “aluguel camarada”

R$ 172 mil pelo aluguel da Aurora
R$ R$ 720 mil pelo aluguel da Rua das Cajazeiras
R$ R$ 460 mil pelo aluguel da Beira Mar
R$ 7 mil por mês em Caxias
R$ 16,5 mil por mês para a sede da Emserh

Por Jorge Aragão

Nenhum comentário:

Postar um comentário