Anuncie aqui

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Vereador Anderson Pêgo revela que Tekynik é investigada pelo MP

Vereador Anderson Pêgo (PRB)
Preocupado com os gastos das finanças da prefeitura de Timon, o vereador Anderson Pêgo (PRB) subiu a tribuna mais uma vez nesta segunda-feira (20) para tornar público novidades sobre o contrato milionário da empresa Tekynik que fornece sinal de internet para órgãos públicos municipais. "O que me traz aqui na tribuna não é um clima de denuncismo que estão querendo se criar é a preocupação com malversação do dinheiro público, é a preocupação com o desvio de finalidade do dinheiro público", frisou o parlamentar.

Num discurso inflamado, o vereador Anderson Pêgo fez revelações de coisas encontradas pelo Tribunal de Contas no contrato realizado entre a prefeitura de Timon e a Tekynik. "Um dos maiores esquemas de desvio de dinheiro público onde um contrato de oito milhões de reais, cinco milhões é superfaturado. Quem está dizendo não é o vereador Anderson Pêgo, não! Que está dizendo é o Tribunal de Contas do Estado [...] que viu que o processo da Tekynik está superfaturado em mais de 160%. Um absurdo!"

Tekynik é investigada

"Um processo licitatório esse que foi denunciado e no último dia dez, e eu distribuir para todos vocês a publicação do Diário Oficial do Ministério Público, a Procuradoria Geral de Justiça converteu a Notícia de Fato em Procedimento Investigatório Criminal. Então as coisas vereador Jair não ficam só na tribuna, elas estão acontecendo", revelou Pêgo. Ainda no seu discurso o vereador Anderson Pêgo deu um espécie de conselho ao envolvidos no Caso Tekynik. "Então quem está nesse esquema da Tekynik comecem a dormir vestido que a polícia pode chegar cinco horas da manhã e chamar para tomar um café".

Ligações estreitas - Num discurso que marcou a sessão desta segunda-feira, o parlamentar do PRB seguiu fazendo revelações que pareciam não ter fim sobre a origem da empresa e seus sócios. "Sabemos que essa empresa, que fatura tanto nobres vereadores, foi criada em trinta e um do um de dois mil e treze, um mês após a posse do prefeito Luciano Leitoa. E que para ser contratada teve que apresentar um atestado de capacidade técnica porque todo órgão público pra você contratar com ele você tem que mostrar que é capaz de fazer. E pasmem! O atestado de capacidade técnica é de 2012, ora se empresa foi criada em 2013, não tem como justificar".

Sobre os sócios da empresa, segundo o vereador ele são de Matões e possui ligações com duas secretárias da gestão Leitoa.  "Empresa criada pela senhora Miriam da Silva Moura e pelo senhor Alcino Pereira da Silva Sobrinho, ambos oriundo da cidade de Matões e com relações estreitas com as senhora Sueli Capuama e Dinair Veloso, Chefe de Gabinete do prefeito e secretária de Educação, que no caso são duas irmãs vindas de Matões. Sendo que Alcino Pereira é empacotador de um comércio em Matões e dono de uma empresa que fatura milhões na prefeitura. Ele continua hoje empacotador lá em Matões. E aí depois que o deputado Alexandre fez as denúncias na tribuna da Assembleia resolveram mudar e colocar a senhora Maria de Fátima Coelho Lopes que é casada ou tem alguma relação com o motorista do secretário de Saúde. Estranho! Os operadores do poder andam lado a lado com os donos da Tekynik".

Gerente

"Aqui nessa cidade todo mundo sabe quem é o gerente da Tekynik, é o senhor Rui, marido da Sueli, foi falado na tribuna da Assembleia pelo deputado Alexandre. Que ele é o marido da Chefe de Gabinete do prefeito e cunhado da secretária de Educação que era vereadora aqui nesta Casa até o pleito passado. O que mais estranha é que os sócios da empresa não ostentam nenhuma riqueza, agora o Rui é Hilux, mansão. Quer dizer que é melhor ser gerente do que ser dono?", disse o vereador Anderson Pêgo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário